quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

NATAL DE 1971 EM GAGO COUTINHO


Natal com um " pinheiro" de Natal, em que as luzes eram lâmpadas de 220volts pintadas de várias cores, e as "prendas" eram garrafas de Nocal penduradas. Ao lado estavam mais "prendas", se não me engano eram cerca de 7 ou 8 grades de cerveja.
Belo Natal ! 
Por essa altura avariou o Dakota, tenho foto dele, o MVL foi atacado várias vezes, o Nord avariou no Luso ou no AB4, enfim não havia quase nada de frescos para comer. 
Não se podia caçar, porque o Com. Cruz Novo andava no ar, e não avisava quando aparecia, o que aconteceu por duas vezes, e as horas de voo dos Helis eram muito controladas.
Estávamos a comer " sopa " de legumes, não sei de onde tinham vindo, se calhar da horta do padre, ou coisa parecida, essa sopa era água com farinha e dois ou três pedaços de verdura a boiar. Depois vinha arroz de " tomate" (entenda-se colorau) com umas salsichas de lata, que depois passaram a vir cortadas finas no meio da travessa. 
Foi uma altura má em termos de alimentação. Consegui comprar um cacho de bananas e uma saca de laranjas, penso que também vieram da horta do padre, custou-me tudo 17 angolares. Também consegui arranjar na enfermaria do exército, através do sargento enfermeiro, um frasco de vitaminas. 
Foi o que me aguentou durante cerca de 1 mês.
Não sei como se conseguiu "arranjar" meia hora de voo e foram caçar. 
Caçaram 3 ... não sei o nome, gungas (?) parecem vacas enormes, e vieram duas no camião basculante da JAE. Quando chegaram, havia carne para todos, FAP, Exército, e civis. 
Nessa noite, penso que comi alguns 10 bifes ou febras, com jindungo, mas não fui só eu, a fominha era tanta que...claro, ficámos com problemas digestivos! Tudo muito bem acompanhado de Nocal. 
Desculpem lá esta retórica toda, mas .... são recordações que nunca me esquecem.


Por:

Sem comentários:

Enviar um comentário