quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

EVACUAÇÕES EXÓTICAS

Duas evacuações exóticas
Às voltas com as minhas memórias como piloto da Força Aérea (Fur.Mil.Pil.), lembrei-me de um episódio relacionado com o Alto Cuíto.
Certo dia, estava de passagem pelo Luso, recebi instruções para me meter num DO-27 e ir ao Alto Cuíto fazer a evacuação urgente de um ferido.
Gonçalo de Carvalho na pista do Alto Cuito

As condições atmosféricas não eram as melhores, o tempo estava muito coberto, mas mesmo assim meti-me a caminho acompanhado, como habitualmente, por um mecânico.
Durante a viagem a nebulosidade foi aumentando e às tantas vejo-me no meio de nuvens e completamente perdido, sem saber qual a minha posição. Aqueles aviões não estavam preparados para fazer navegação por instrumentos e, além disso, não existiam ajudas rádio que nos valessem.
Fiz 180º e meti um determinado rumo para norte, guiando-me pelos instrumentos, até chegar à linha-férrea do Caminho-de-ferro de Benguela. Depois fui até ao Luso e, sem ali aterrar, voltei a apontar ao rumo do Alto Cuíto. Desta vez cheguei ao destino e aterrei sem problemas.
Então foi a surpresa!
Na pista, à espera do DO, estava um soldado que me disse ser ele o ferido! Tinha sido atingido por um tiro acidental num dedo! Pensei para mim (não sei se o disse em voz alta a alguém na altura) "mas que raio de urgência é esta para uma evacuação"!
E pronto... lá levei o "ferido" para o Luso, numa viagem sem incidentes.

Estas situações aconteciam por vezes.
Um dia, por exemplo, saio de Gago Coutinho para uma evacuação urgente de Ninda. A distância é curta... em meia hora estava lá e... para grande espanto meu, à beira da pista, sentado numa mala, estava um soldado à espera. 
Gonçalo de Carvalho em Ninda

Ele era o "evacuado urgente"... que depois me disse que só queria ir para Gago Coutinho depressa para apanhar o Noratlas para poder chegar a Luanda a tempo de ir de férias ao "puto" (o termo saudosista com que nos referíamos a Portugal continental), e que o capitão da companhia lhe tinha feito o favor de permitir o envio de um rádio a pedir a evacuação.
Enfim... são histórias de tempos que já lá vão.

P.S. - “Puto” Em linguagem “calão” designava o Portugal europeu à beira mar plantado.




1 comentário:

  1. Sem comentário, mesmo. Isto não parece e não é diga-se o que se disser nada que orgulhe a estrutura que permitiu que acontecesse. Que Deus lhes perdoe, que eu não sou ninguém para me permitir tal "heresia". HIHIHI

    ResponderEliminar