quinta-feira, 19 de outubro de 2017

PROCURA-SE UM AVIADOR

Algures no leste de Angola 1971 - foto de Ribeiro da Silva

Procura-se um Aviador, nem jovem nem velho, apenas antigo. Que tenha sensibilidade para lidar comigo e compreenda minhas manias, pois já estive à beira do desaparecimento e fui ressuscitado – ou restaurado – como dizem por aí… Cada novo pedaço de tela, cada nervura, representa cicatrizes dos lanhos de uma vida de voos e pousos, mais rangidos, estalidos e tendências deste meu corpo – ou fuselagem…
Meu piloto poderá falar quando quiser, mas, sobretudo, terá que saber escutar, ouvir e entender os sons que sou capaz de emitir: como o assobio do vento relativo nos meus contornos; o ronco do meu fiel motor que, às vezes, espouca e tosse, com um bafo de fumaça azulada.

Procura-se um humano que compreenda meus códigos, que talvez sejam mensagens diluídas pelo tempo e remanescentes de aviadores antigos que me conduziram, ou a outros iguais a mim.

Procura-se um aviador que não se importe com meu cheiro de dope, graxa e gasolina, também não se melindre quando eu o respingar de óleo. Deverá ainda saber usar a bússola e ler uma carta seccional, reconhecendo referências no terreno, compensando o vento e mantendo a rota, sem precisar de mostradores elétricos. Este piloto decerto apreciará as pistas de grama e cascalho.

O aviador que procuro deverá saber extasiar-se com minhas antiquadas chandelles, tonneaux e loopings, apenas alegres e espontâneos bailados, sem pretensão a aplausos ou troféus.

Procura-se um aviador que tenha prazer de voar a qualquer hora, mas preferindo decolar ao nascer do sol, ou conduzir-me nas luzes mágicas do sol poente. Meu piloto será um saudosista por certo, sobrevivente do tempo em que um avião era um avião, e não um foguete com asas, recheado de automatismos.

Este piloto será tido como esquisito, pois será reservado e escondido, numa surrada jaqueta manchada de óleo. Será encontrado, junto com poucos iguais a ele, numa boa conversa de hangar.

O aviador que vier por este anúncio será aquele que procure poesia na aviação, que tenha amor pela máquina.

Gago Coutinho 1969 - foto de Eduardo Cruz

Procura-se este aviador raro que tenha carinho por mim, a despeito de minha idade, e que, principalmente, não permita que lhe arranquem o romantismo.

Interessados dirigirem-se ao Hangar da Saudade, no Campo dos Sonhos, procurar pelo velho, porém majestoso, North American Texan T-6, mais conhecido por “Têmeia”.
(Autor desconhecido – Encontrado no salão de estar do ACSP), via Franco Ferreira, tenente-coronel da reserva da FAB

5 comentários:

  1. Maravilha. É um avião maravilhoso, pelo menos para mim que devo ter quase a idade dele.
    Carlos Neves

    ResponderEliminar
  2. É bonito pôr aquela máquina a falar, dizendo o que deseja! Um piloto arrojado com esta máquina a voar foi um duo que deixou saudades. Gosto do texto e deixo os meus parabéns ao autor e a quem o publicou.Abílio C. Silva

    ResponderEliminar
  3. Linda a composição deste "anúncio" que enaltece as qualidades da máquina que para mim era a mais bonita da FAP naquele tempo. Adorei. Parabéns ao autor e a quem o encontrou e publicou.
    Sérgio Durães
    OPC 1ª/68

    ResponderEliminar
  4. Excepcional, parabéns ao autor e a quem publicou, pela sensibilidade e respeito por esta máquina,E que ela própria exigia respeito.Alguns não sobreviveram para contar.E por falar em romantismo quantas vezes esta bonita máquina aterrou na pistas de cabinda com a luz de candeeiros (aquelas bolas pretas)a petróleo,
    Carlos Gaspar

    ResponderEliminar
  5. Belo avião, fiável, genuíno, inspirava confiança. Pena foi só ter voado nele á boleia em Gago Coutinho em 1967. Continuei a vê-lo em diversos aeródromos mas não tive a sorte de me darem uma boleia. Estou-me a lembrar das rapadas a cortar capim no Ninda e no Muie ou a fazer bombardeamentos com o Capitão Neto Portugal ou a fazer ataque com rocket. Bons tempos.

    ResponderEliminar