sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

MORREU O TOMÁS .

Major Catroga, Ten.Cor. Tomás e Major Noronha

O testemunho do Rui Baptista (RB), por sinal, muito bem escrito, despertou em mim uma certa nostalgia dos tempos passados nos longínquos anos de 1967 a 1969, na Base Aérea 2, na Ota. E para falar e recordar, para o bem e para o mal, do nosso TOMÁS (patentes, fica para posterior explicação), tenho que dividir em duas partes, enquanto aluno e posteriormente como Especialista MMA, como monitor no GITE (Grupo Instrução de Técnicos Especialistas).
Acabada a recruta em Agosto de 1967, a minha situação de aluno, foi igual a tantos milhares de alunos que pela “casa” passou, com o terror do TOMÁS, sempre pronto a mandar o aluno para a barbearia ou a engrossar a lista de reforços de fim-de-semana, ou melhor dizendo eram os célebres reforços “à Benfica”.
Das inúmeras tiradas, já referidas pelo RB…“Eu como especialistas ao pequeno-
Reforço á "benfica" !
almoço”, “o especialista para mim é papel” (enquanto amarrotava uma folha de papel entre as mãos), “ò aluno, eu estou-te a ver”, “tu aí, anda cá – reforço fim-de-semana”, eu vi arrancar botões das camisas e dizer “ò aluno não vês que tens o botão a cair”, reforço de fim-de-semana. Quero aqui expressar que fiz “reforços à Benfica” não por causa do TOMÁS, mas sim de outros “artistas”, entre eles do Tenente Mineiro, boa prenda.
Mas o inverno de 1967, trouxe uma enorme calamidade que foram as cheias na noite de 25 para 26 de Novembro, por coincidência, estava a cumprir um “reforço à Benfica” e chovia tanto, mas tanto, que na rendição passei pela guarita e não a vi. (Bairro dos Sargentos).
Mas vêm as cheias a propósito, pois foram “Os queridos alunos” que durante muitos dias nas semanas seguintes foram para as vilas e aldeias em redor da Ota, limpar e desobstruir o lamaçal que se produziu. A mim tocou-me andar em Alenquer e em Quintas onde morreram dezenas de pessoas. Mas com o mal de uns é sempre o bem de alguém, pois o nosso Major TOMÁS foi promovido a Ten.Coronel, por mérito de muitos de nós. Adiante.
Terminada a especialidade, fui colocado no GITE, como monitor de Sistemas e aqui a minha situação modificou-se em relação ao TenCor Tomás, sempre cordato, pudera, tinha ali os alunos à mão para descarregar a sua “bílis”, mas aqui assisti, por coincidência, a um facto que não será do conhecimento da maioria dos “Zés Especiais”, um telefonema do Major Noronha a lamentar-se que não tinha a escala de fim-de-semana completa e apelava aos “bons préstimos” do Tomás. Aqui entrava a caça ao aluno para os “reforços à Benfica”, ou seja um passava por mansinho o outro era o terror. Adiante
Em Outubro de 1968, começa a falar-se de mais um Torneio/jogo de Andebol e surpreendentemente sou chamado ao Tomás, fiquei como podem calcular a dizer para os meus botões, o que se passa, devo estar lixado. Fiquei um pouco mais descansado quando me apercebo que também tinha chamado o Saramago (MAEQ), um “carrapau setubalense” também monitor.
Começou a falar do jogo e nós/eu cheio de “lata”, proponho que façamos uma
A equipa dos Especialistas
equipa do G
ITE para jogar com outra equipa de alunos.
Resposta pronta do Tomás, mas “que misturas são estas oficiais e cabos, nem pensar”.
Sem pensar respondi, se não for assim a equipa do Senhor vai perder e sei que não gosta de perder. Horas depois percebi, que queria fazer uma equipa com o Curso de Alunos/Cadetes e constava que havia um jogador internacional do FC Porto. Arriscou e perdeu.
As duas equipes na final
Os ESPECIAIS, com o malogrado Carlos Fialho (MMA) monitor de Motores,
Recebendo medalha
ganharam o jogo por 9-7, para gáudio das centenas de alunos do ano 1968, que assistiram ao jogo só para ver o nosso Tomás a perder.
Ele, ficou em “brasa” e tenho a convicção que se não fosse a presença do novel Comandante da Base Rangel de Lima, que constava lhe tinha tirado algum protagonismo, teria havido um “protesto de jogo”, “recurso ao disciplinar” ou outra qualquer artimanha. Mas, a minha passagem pela Ota ainda teria mais um acontecimento trágico, o Sismo de 1969, em 28 de Fevereiro de 1969 pelas 02:40 horas, que atingiu o Sul do País e a região de Lisboa. Acordámos todos em sobressalto com os armários metálicos da camarata dos adidos a dançarem, já aguardava passagem para Angola.
Á distância de cerca de 45 anos, podemos compreender algumas situações para lidar com a nossa juventude, mas ele (Tomás) ficou com a fama que outros “anjinhos”, também as fizeram e passaram por bonzinhos.
Morreu o Tomás, já há cerca de 3 anos e pelo testemunho que então recolhi, não acabou muito bem, numa cama do Hospital da Força Aérea no Lumiar..
Morreu o Tomás
Descanse em Paz
Por:

4 comentários:

  1. Gostei,devo dizer ,outros tempos que não são possíveis de replicar.Abraço para Todos.

    ResponderEliminar
  2. Carlos Santos Joaquim eu lembro perfeitamente de ti eu era chefe de turma dos MAEQ podes ajudar a encontrar o Saramago? Abraço

    ResponderEliminar
  3. Eu era o chefe de turma MAEQ podes ajudar a encontrar o Saramago?

    ResponderEliminar
  4. Estimado Carlos Joaquim (500-da 2/67),já se passou meio século em que num ato repentista conseguimos formar um equipa de andebol e dar "cabo" a esse petulante major Tomás. Ainda hoje recordo a angústia dele com a derrota sofrida perante uns jovens aguerridos e que, com luva branca, o mandaram às urtigas. Bons tempos que recordaremos para sempe.Um forte abraço com amizade. PRATA AZEVEDO.

    ResponderEliminar